Winston Churchill e a Melancolia

0
Foto: Wikimedia Commons / domínio público

Foto: Wikimedia Commons / domínio público

” Tinha consciência de estar testemunhando algo singular, mas também remoto e mutável. Era como olhar do terraço de um hotel moderno, à distância, a vasta paisagem montanhosa, que tanto poderia estar banhada em uma luz inesquecível, como sumir por trás de nuvens baixas. ”

Em Churchill – Lord Roy Jenkins
———————–
Há quem diga que a melancolia recorrente de Churchill teria sido um sintoma de doença mental. Sugeriram que ele sofresse de distúrbio bipolar, porque experimentava alterações de humor que iam de intensa e impulsiva atividade à depressão paralisante. Churchill era passional, volátil e extremamente emocional na maior parte do tempo. Sua sinceridade e emotividade excepcionais podem ajudar a explicar porque ele era capaz de sentir o perigo que pessoas comuns não podiam perceber.

Fonte: http://www.bbc.com/news/ magazine – 15033046
———————-
Por décadas Churchill evitava ficar muito perto das plataformas de trem.

“Não gosto de ficar próximo a plataforma, quando um trem expresso está passando. Prefiro ficar longe, se possível com uma pilastra entre mim e o trem.  Não gosto de ficar parado ao lado de um navio e olhar para a água lá embaixo. Uma ação impulsiva pode acabar com tudo. Gotas de desesperança. ”

Churchill chamava a depressão de “black dog”, depois de Samuel Johnson, que a chamava assim. Johnson era bipolar, assim como muitos outros grandes homens.

Churchill ficava tão paralisado em suas crises, que passava muito tempo na cama, com pouca energia, poucos interesses; perdia o apetite e não conseguia se concentrar.

Isto aconteceu muitas vezes durante sua vida.

Estes períodos de depressão duravam meses, e depois ele voltava a ser ele mesmo.

Ele soube que um médico alemão oferecia alguma ajuda para a depressão:

“Acho que ele pode me ajudar – se o cão negro voltar. O cão negro parece longe de mim agora, um alívio para mim.  Todas as cores da paleta voltaram. ”

A não ser por esses períodos de depressão, Churchill tinha muita energia, e não se deitava antes das duas horas da manhã, quando ditava um de seus muitos livros.

Suas variações de humor  eram mais intensas do que a bebida (era alcoólatra) pudesse justificar.

Entretanto, Churchill não poderia estar disfuncional durante a guerra.

Seu médico Lord Moran receitava anfetaminas para seus episódios de depressão, e barbitúricos para ajudá-lo a dormir.

Fonte: http://theconversation.com/winston-churchill-and-his-black-dog-of-greatness-36570
———————-
Muitas pessoas com depressão frequentemente possuem aptidões notáveis para a arte, tais como a música, escrita, e pintura, um sinal de suas naturezas sensíveis, como Churchill, quando pintava.

A recuperação dos quadros depressivos depende de atitudes persistentes e de renovação.

Churchill sempre tentava se recuperar com perseverança e nunca desistiu.

As artes, tais como a pintura e a escrita, o ajudavam em sua recuperação das crises depressivas. Ele gostava do estilo impressionista.

Churchill escreveu seis volumes de memórias da segunda guerra mundial.

Sua tenacidade era notável. Ele não se deixava abater.

Fonte: http://www.howibeatdepression.com/how-winston-churchill-beat-depression/

 

Tradução: Patrícia Rati

 

Compartilhar.