SAMO shit, agora vale US milhõe$

0

Um dos grafiteiros mais famosos do mundo, o novaiorquino Jean-Michel Basquiat, vai ganhar uma exposição em 2018 no Masp, em São Paulo, 30 anos após a sua morte, em 1988 aos 27 anos. Ao todo, serão 40 obras de Basquiat, entre pinturas e desenhos, com um foco em personagens e histórias africanas. Esta será a primeira grande mostra sobre o artista em mais de 20 anos no Brasil. De acordo com o Masp, a exposição monográfica vai se inserir no contexto da mostra “Histórias da Escravidão”, cujas reflexões sobre narrativas africanas irão permear todo o ano de 2018.

20170129_pe_basquiat

Este autorretrato leiloado pela Christie’s foi arrematado em 10 de maio de 2016 por US$ 57,3 milhões

A escolha das obras de Basquiat, a princípio, não tem nada a ver com as novas ações da prefeitura de São Paulo, que está apagando os grafites da cidade confundindo-os com pixações. O Masp afirmou que a exposição vai coincidir com os 130 anos de assinatura da Lei Áurea, que deu fim à escravidão no Brasil. Basquiat começou a fazer grafites em prédios abandonados de Manhattan no início dos anos 80 e ganhou notoriedade mundial quando seus desenhos foram expostos em galerias de artes com a chancela de Andy Warhol.

Jean Michel Basquiat nasceu em 1960, Nova York. Pintor neo-expressionista e grafiteiro norte-americano, Basquiat era filho de Gerard Jean-Baptiste Basquiat, ex-ministro do interior do Haiti que se tornou proprietário de grande escritório de contabilidade ao imigrar para os Estados Unidos e de Mathilde Andrada, de origem porto-riquenha. Era o primeiro, dos três filhos do casal, de classe média alta. Aos três anos já desenhava caricaturas e reproduzia personagens dos desenhos animados da televisão.

20170129_pe_basquiat2

Supervalorização após ter ‘acontecido na mídia’

Mas seu gosto pela arte se tornou coisa séria e um dos seus programas favoritas era, já aos seis anos, frequentar o Museu de Arte Moderna de Nova York, de onde tinha carteira de sócio mirim. Uma tragédia o colocou ainda mais próximo da arte, quando aos sete anos foi atropelado e no acidente teve o baço dilacerado. Foi submetido a uma cirurgia e ficou uma temporada no hospital. Sua mãe, então lhe deu de presente um livro de anatomia – Gray’s Anatomy – que teria grande influência em seu futuro de artista, revelado pelas pinturas de corpos humanos e detalhes de anatomia.

Em 1977, aos 17 anos, Basquiat e um amigo, Al Diaz, começaram a fazer grafite em prédios abandonados em Manhattan. A assinatura era sempre a mesma: “SAMO” ou “SAMO shit” (“same old shit”, ou, traduzindo, “sempre a mesma merda”). Isso gerou curiosidade nas pessoas, principalmente pelo conteúdo das mensagens grafitadas. Em dezembro de 1978, o veículo Village Voice publicou um artigo sobre as escrituras. O projeto “SAMO” acabou com o epitáfio “SAMO IS DEAD” (SAMO está morto) escrito nas paredes de construções do SoHo nova-iorquino.

Primeiros grafites geraram curiosidade

Primeiros grafites geraram curiosidade

 

Hannibal (detalhe) estava no acervo do brasileiro Edemar Cid Ferreira do Banco Santos declarada com o valor de US$ 100, quando na verdade é avaliada em US$ 8 milhões. Obras do artista, cuja valorização foi repentina, também foram usadas para lavar dinheiro http://www.cartacapital.com.br/revista/929/edemar-cid-ferreira-o-leilao-do-ano

Hannibal (detalhe) estava no acervo do brasileiro Edemar Cid Ferreira do Banco Santos declarada com o valor de US$ 100, quando na verdade é avaliada em US$ 8 milhões. Obras do artista, cuja valorização foi repentina, também foram usadas para lavar dinheiro
http://www.cartacapital.com.br/revista/929/edemar-cid-ferreira-o-leilao-do-ano

Em 1978, Basquiat abandonou a escola e saiu de casa, apenas um ano antes de se formar. Mudou-se para a cidade e passou a viver com amigos, sobrevivendo através da venda de camisetas e postais na rua. Um ano depois, em 1979, contudo, Basquiat ganhou um status de celebridade dentro da cena de arte de East Village em Manhattan por suas aparições regulares em um programa televisivo. No fim da década de 1970, Basquiat formou uma banda chamada Gray, com o então desconhecido músico e ator Vincent Gallo.

Basquiat começou a ser mais amplamente reconhecido em junho de 1980 quando participou do The Times Square Show, uma exposição de vários artistas patrocinada por uma instituição de nome “Colab”. Já em 1982, Basquiat era visto frequentemente na companhia de Julian Schnabel, David Salle e outros curadores, colecionadores e especialistas em arte que seriam conhecidos depois como os “neo-expressionistas”. Ele começou a namorar, também, uma cantora desconhecida na época, Madonna. Neste mesmo ano, conheceu Andy Warhol, com quem colaborou ostensivamente e cultivou amizade.

Madonna ao lado de Jean-Michel Basquiat nos anos 80 (Foto: Reprodução/Instagram). A época a legenda diria Basquiat ao lado de ......

Madonna ao lado de Jean-Michel Basquiat nos anos 80 (Foto: Reprodução/Instagram). A época a legenda diria Basquiat ao lado de ……

 

A Mona Lisa de Basquiat

A Mona Lisa de Basquiat

Dois anos depois, em 1984, muitos de seus amigos estavam preocupados com seu uso excessivo de drogas e seu comportamento paranóico. Basquiat, então, já estava viciado em heroína. No dia 10 de fevereiro de 1985, Basquiat foi capa da revista do The New York Times, em uma reportagem dedicada inteiramente a ele. Com o sucesso, foram realizadas diversas exposições internacionais em todas as maiores capitais europeias. Basquiat morreu de um speedball (coquetel de cocaína e heroína) em seu estúdio, em 1988. Após sua morte, um filme que levava seu nome foi lançado contando sua biografia, dirigido por Julian Schnabel e com o ator Jeffrey Wright no papel de Basquiat.

Corra antes que valorize.

Fontes:
https://entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2017/01/18/um-dos-icones-do-grafite-basquiat-vai-ganhar-exposicao-no-masp-em-2018.htm
https://pt.wikipedia.org/wiki/Jean-Michel_Basquiat

Compartilhar.