Niède Guidon

0

Fonte Imagem: BBC

Niède Guidon é uma arqueóloga formada em história natural pela USP (Universidade de São Paulo), com doutorado em pré-história pela Sorbonne, Université de Paris, França, e mora em São Raimundo Nonato, no Piauí, onde trava uma batalha, para manter de pé o Parque da Serra da Capivara.

Em 1963, soube do sítio arqueológico São Raimundo Nonato e, em 1966, foi contratada como pesquisadora pelo Centro Nacional de Pesquisa Científica.  Desde então, ela protege o parque e sua própria história se confunde com a dele, nos últimos 40 anos.

As descobertas no sítio arqueológico do Piauí ganharam destaque internacional, em 1986, quando foram publicadas pela revista científica britânica Nature.

Os artefatos de pedra lascada de mais de 25 mil anos e, mais tarde, os vestígios datados de 48 mil anos, em carvão, colocaram em dúvida a teoria de que o povoamento das Américas tenha acontecido há cerca de 15 mil anos apenas. Seus críticos contestaram, dizendo que seus achados são produtos da ação da natureza. A despeito da polêmica, ela conseguiu estabelecer que a área foi ocupada por paleoíndios e caçadores-coletores bem antes do que se imaginava.

É dela a descoberta do esqueleto mais antigo do país. Uma mulher, que viveu há cerca de 9.800 anos.

Niéde recebeu vários prêmios, entre eles a medalha na comemoração de 60 anos da UNESCO, distribuída apenas para pessoas consideradas muito importantes na área de pesquisa e preservação dos patrimônios culturais da humanidade.

Cravado no sertão piauiense, o parque tem 130 mil hectares e abriga mais de 900 sítios arqueológicos, 500 deles com pinturas rupestres. As pinturas revelam o cotidiano daqueles que podem ter sido os primeiros brasileiros, e há cenas de dança, caça e a representação de diferentes animais.

A preservação das pinturas rupestres é um desafio à parte em meio à grave crise financeira. Cupins e abelhas, muitas vezes, fazem suas casas nas áreas das pinturas, portanto é preciso estar sempre limpando. Há também a chuva, infiltrações… A equipe que cuidava da preservação está desmantelada pela falta de verbas.

A luta por mais recursos para manter o parque e desenvolver a região tão isolada e empobrecida do município de São Raimundo Nonato vem de longa data.

Atualmente a região conta com um hotel, um aeroporto local que funciona de forma inconstante e as estradas, que são muito ruins.

Niède busca transformar o Piauí em um grande centro turístico, mudando a realidade econômica, para garantir a proteção desse patrimônio histórico, daquela área e também de seu ecossistema.

Pretende garantir a preservação do Parque Nacional da Serra da Capivara. Com mais de 80 anos, às vezes pensa em voltar a viver na França.

Mas se tiver recursos, quer trabalhar, afirma.

“É inútil falar em proteção ambiental em regiões como São Raimundo Nonato, onde as pessoas estão morrendo de fome, sem criar alternativas de trabalho. Se algo não for feito imediatamente, os sítios serão destruídos, a paisagem degradada e o ecossistema – único na região – será aniquilado” – Niéde Guidon

Fontes:
http://mulheres-incriveis.blogspot.com.br
http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/03/160312_perfil_niede_guidon_rj_ab
-https://catracalivre.com.br/geral/cidadania/indicacao/niede-guidon-arqueologa-simbolo-da-luta-por-um-parque/

Patrícia Rati

Compartilhar.