Boa Vizinhança

0

Fonte Imagem: Pixabay

A boa vizinhança tem relação direta e imediata com educação e consciência de limites. Aprende-se desde cedo em casa e depois na escola, e em diante na vida, nem que seja aos trambolhões. Conviver é compartilhar as áreas comuns com respeito ao vizinho; e usar sua própria casa atento aos incômodos que pode causar. Afinal, repartimos a mesma atmosfera, e os odores, os sons e as luzes se espalham inexoravelmente. Portanto há regras para tudo e todos. Cada um deve ceder um pouco. Mas sabemos que não é bem assim que funciona.

Individualmente somos muito diferentes, desde aquele que prefere o silêncio constante e a luz suave e que se concentra apenas desta forma, até aquele festeiro que precisa de companhia ruidosa sempre. Há as crianças, e como não tê-las? E os animais, e como não amá-los? As reformas ligeiras, e as amplas, as infiltrações, os irritantes saltos altos da vizinha de cima, as bitucas pelas janelas, as compras de supermercado entulhando o elevador social, as vagas ocupadas de maneira irregular, o lixo nas calçadas, enfim, há do que se reclamar sempre!

É muito difícil administrar um espaço dividido por muita gente diferente. Existe uma cartilha elaborada pelo SíndicoNet, a partir da experiência de especialistas sobre o tema, que pode ser baixada e impressa, servindo de guia e facilitando a vida de moradores de qualquer condomínio e inclusive ajustada a cada comunidade.

Os tópicos da cartilha são: barulho, cachorros, crianças, convivência, funcionários, garagem, lixo, na academia, na piscina, no elevador, no salão de festas e churrasqueiras e obras.

Muitas vezes, ocorrem registros policiais por conta de desinteligência entre condôminos. Na maior parte das vezes, os motivos são fúteis, como som alto e em horário inadequado e essas brigas tomam tempo da polícia em detrimento a ocorrências de maior importância. Alguns condomínios têm regras rígidas que estipulam penalidades aos seus moradores. São cobradas multas e eventualmente ocorre até mesmo a expulsão de algum morador mais desrespeitoso.

Importante é lembrar que para o bom relacionamento o diálogo é fundamental e baseado na boa educação, na tolerância e na responsabilidade de cada um.

Infelizmente, não podemos escolher sempre nossos vizinhos. A cada etapa da vida de cada um, mudamos, física e mentalmente, então são necessários ajustes e paciência com os outros. Muita paciência e solidariedade. O que temos é o que a vida nos oferece.

Fontes:
https://www1.folha.uol.com.br/colunas/marciorachkorsky/2018/02/mesmo-dentro-de-casa-morador-de-condominio-nao-pode-fazer-o-que-quiser.shtml
http://www.condominiosc.com.br/radar/3073-dicas-essenciais-para-boa-convivencia-em-condominios
https://www.sindiconet.com.br/informese/cartilha-de-etiqueta-em-condominios-convivencia-cartilha-de-etiqueta
https://jurisway.jusbrasil.com.br/noticias/2487887/convivencia-entre-vizinhos-exige-regras

Patrícia Rati

Compartilhar.